EventoGospel

O Espírito Santo vai te levar onde Ele quiser…

Publicidade

Rádio ON LINE

agosto 2014
D S T Q Q S S
« jul    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Categorias

Silas Malafaia apoiará Marina Silva no segundo turno

Silas Malafaia apoiará Marina Silva no segundo turno

Malafaia apoiará Marina Silva no segundo turno

Um dos líderes evangélicos mais atuantes em período eleitoral no Brasil, o pastor Silas Malafaia já anunciou seu apoio no primeiro turno ao candidato do PSC, pastor Everaldo.

Ambos são ministros ordenados da Assembleia de Deus e amigos de longa data. Desde que o quadro eleitoral mudou, com a entrada de Marina, Malafaia tem usado as redes sociais para continuar fazendo campanha.

Em seu perfil do Twitter escreveu na segunda (18): “Vamos deixar de ser medíocres. Eu não voto segundo pesquisas eleitorais, e sim, segundo minhas convicções”. Um recado claro de que não deverá abandonar Everaldo no primeiro turno. Em 2010, ele iniciou a campanha apoiando Marina, depois se aliou a Serra, por acreditar que faltava clareza nos compromissos da candidata com as “bandeiras cristãs”.

Quatro anos depois, Malafaia tornou-se um dos maiores oposicionistas do PT entre os evangélicos. Mas no eventual segundo turno apontado pelas pesquisas mais recentes, não teria problema em ficar com Marina contra Dilma.

A revista Veja anunciou na coluna Radar On-line que Malafaia já anunciou que pedirá votos para Marina. Curiosamente, Malafaia usou seu site e perfil nas redes sociais para divulgar nos últimos dias um vídeo de 2011, onde um pastor americano profetiza que Deus levantaria uma mulher no Brasil fiel a ele para ser líder da nação. Para muitos, é um anúncio que Marina será a próxima presidente.

Outro importante líder evangélico ligado à política que se manifestou sobre o assunto foi o deputado federal Marco Feliciano. Ele afirma que continua apoiando o Pastor Everaldo a quem chama de “homem íntegro, competente, inteligente, preparado e aliançado aos bons princípios”. Já no segundo turno, Feliciano diz que ainda não avaliou, mas ressalta que apoiará “qualquer um, menos o PT”.

O fato de Marina ser evangélica não significa que receberá necessariamente o voto dos evangélicos, mas essa associação ainda é inevitável. Por isso, essa questão será levantada muitas vezes até 5 de outubro.

Se você gostou deste post, dizer obrigado por compartilhá-lo:
Compartilhar esta:

Pastor Everaldo promete privatizar a Petrobras no Jornal Nacional

Pastor Everaldo promete privatizar a Petrobras no Jornal Nacional

Pastor Everaldo defende princípios cristãos e promete privatizar a Petrobras

Nesta terça-feira (19) o candidato do Partido Social Cristão (PSC) para disputa do Palácio do Planalto, Pastor Everaldo, foi o quarto presidenciável entrevistado pelo Jornal Nacional. Everaldo respondeu durante 15 minutos uma série de perguntas feitas pelos apresentadores Patrícia Poeta e William Bonner.

A primeira pergunta que o candidato respondeu foi sobre a sua inexperiência política, pois o candidato do PSC nunca concorreu a um cargo eletivo, apesar de ocupar a vice-liderança nacional do partido.

Everaldo tentou responder o questionamento falando sobre a sua trajetória de vida, pois teria tido uma infância pobre e acabou conquistando uma posição social elevada. Patrícia, porém, questionou se os problemas sociais brasileiros não seriam complexos demais para um “principiante”.

Para o candidato um líder precisa ter uma boa equipe e usar os melhores quadros técnicos para atender as necessidades do país. Pastor Everaldo afirma que a inexperiência não lhe assusta, pois o trabalho público precisa ser feito com meritocracia, ou seja, utilizando profissionais de cada área para solucionar os problemas.

Ao questionar o liberalismo econômico que o candidato defende o apresentador William Bonner lembrou que ao longo dos anos o pastor foi aliado de Leonel Brizola, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e que todos eles defenderam a intervenção do Estado na economia. Bonner questionou se a defesa do liberalismo econômico por parte do candidato é sincera ou apenas uma conveniência eleitoral.

Pastor Everaldo respondeu afirmando que sempre foi simpático ao discurso da esquerda e que as propostas que defendiam a inserção social eram interessantes e que acreditava o tempo todo que essa proposta era melhor, mas que no governo da presidente Dilma, foi estabelecido um aparelhamento do Estado.

William questionou a indefinição do candidato sobre suas ideologias, pois nos últimos 30 anos o candidato defendia o discurso da esquerda e que somente agora, nos últimos cinco meses, o candidato demonstrou convicção liberal em relação à economia do país.

O candidato do PSC explicou que desde janeiro de 2011 o partido já havia definido que teria candidatura própria e que o rompimento com o Governo se deu em junho de 2012 e que desde janeiro decidiram que não ficariam mais na base aliada do Governo.

A decisão do PSC tem sido questionada por analistas, que afirmam que o partido teria a intenção de tirar votos da candidata evangélica Marina Silva para reeleger Dilma Rousseff. Por isso, Bonner questionou se o PSC não havia percebido a intervenção do Estado na economia do país nos outros governos.

Pastor Everaldo afirmou que antes acreditava nas propostas apresentadas pelo Partido dos Trabalhadores e que somente agora percebeu que as propostas do Governo não eram boas para o país.

Patrícia Poeta lembrou que nas eleições de 2010 o PSC apoiava o candidato José Serra, do PSDB, e que após receber uma doação de R$ 5 milhões passou a apoiar a candidata do PT, Dilma Rousseff. E questionou se esse foi o preço do apoio do PSC, quase R$ 5 milhões.

Everaldo afirmou que estavam conversando na época e que metade do partido queria apoiar José Serra e a outra metade Dilma Rousseff e que as doações dos valores foram para a produção de material de campanha.

Patrícia questionou se o acordo entre os partidos foi uma espécie de “toma lá, dá cá” e lembrou que o Pastor Everaldo havia reclamado o fato do PCdoB, também da base aliada, mesmo com um candidato a menos recebeu do Governo ministérios para comandar, enquanto que o PSC não tinha cargo nenhum.

Everaldo lembrou que durante o acordo para a coligação foi defendido princípios que o partido acredita e que o Partido dos Trabalhadores chamou as pessoas para compor o Governo e mesmo com um número maior de parlamentares eleitos o PSC não recebeu um espaço ao lado da presidente Dilma Rousseff.

No final da entrevista o candidato do PSC voltou a defender a privatização de todas as empresas ligadas ao Governo, inclusive a Petrobras. E afirmou que o número de ministérios precisa ser reduzido e que todas as empresas foco de corrupção precisam ser passadas para a iniciativa privada.

No minuto final, que é destinado à apresentação de propostas pelo candidato, Pastor Everaldo lembrou que o partido defende a vida, é contra o casamento gay e que é contra a liberação das drogas. Além disso, o candidato prometeu criar o Ministério da Segurança Pública e se for eleito promete isentar o trabalhador que ganhe até R$ 5 mil a partir de janeiro.

Assista:

Se você gostou deste post, dizer obrigado por compartilhá-lo:
Compartilhar esta:

Profecia fala sobre a eleição de uma mulher “segundo o coração de Deus”

Profecia fala sobre a eleição de uma mulher “segundo o coração de Deus”

Profecia fala sobre a eleição de uma mulher cristã

A escolha do PSB de colocar Marina Silva no lugar de Eduardo Campos para concorrer ao cargo de Presidente do Brasil fez com evangélicos se lembrassem de uma profecia proferida na Conferência Dunamis de 2011.

Durante sua pregação o pastor Bob Hazlett teve uma visão a respeito da política brasileira dizendo que via uma mulher sendo controlada por um homem como se fosse marionete. “Ela era sua marionete, e ele falava ‘ela vai fazer o que eu mandar ela fazer’. Mas eu vi então a palavra do Senhor vir como se fosse uma espada que começou a cortar as cordas dessa marionete”, disse o pastor.

Mas a profecia não parava por ai, Bob Hazlett também viu que Deus mudaria o controle da nação. A visão que ele teve mostrava o Brasil respirando ligado em aparelhos, Deus então desligava as máquinas e dizia que o país voltaria a respirar normalmente.

“Eu vou soprar sobre esta nação novamente”, disse me profecia o pastor do Ministério Touch of Fire. “Eu vi Deus levantar homens e mulheres de Deus, cheios do Espírito, cheio do Seu sopro que vão começar a abalar esta nação”.

A visão também falava claramente sobre levantar mulheres na política, falando diretamente para uma que seria “segundo o coração de Deus” que vai se ajoelhar diante de Deus que vai abalar a nação brasileira e levá-la para uma época de prosperidade.

“Ele removerá o espírito de Mordecai, que tem tentado controlar as mulheres desta nação, e Ele levantará uma mulher segundo Seu coração, e Ele abalará a nação, levando-a para uma temporada de prosperidade mesmo enquanto outros países enfrentarem crise”, profetizou o pastor.

Em junho passado a profecia de Bob Hazlett foi lembrada por conta das manifestações popularesque exigiam melhora da política nacional, manifestações que começaram com a reivindicação de estudantes contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo e acabou se espalhando por todo o Brasil criticando a corrupção.

Assista:

Se você gostou deste post, dizer obrigado por compartilhá-lo:
Compartilhar esta:

Malafaia critica postura de Dilma na entrevista ao Jornal Nacional

Malafaia critica postura de Dilma na entrevista ao Jornal Nacional

Malafaia critica postura de Dilma na entrevista ao Jornal Nacional

Nesta segunda-feira (18) os apresentadores do Jornal Nacional Patrícia Poeta e William Bonner entrevistaram a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT.

A entrevista foi bastante comentada pelas redes sociais, e o pastor Silas Malafaia acompanhou pela TV e emitiu diversos comentários contra o governo do PT em seu Twitter, se mostrando insatisfeito com a atual presidente.

William Bonner chegou a citar durante a entrevista sobre a condenação dos principais nomes do Partido dos Trabalhadores que foram condenados no Supremo Tribunal Federal por participarem do maior escândalo de corrupção da história do país.

Dilma preferiu não responder o que achava da condenação dizendo apenas que como presidente tem que respeitar as decisões tomadas pelos chefes dos demais poderes da república (Judiciário ou Legislativo).

Malafaia não gostou da resposta vaga da presidente e reclamou no Twitter. “Como Dilma pode ser reeleita sem condenar os ladrões do PT que participaram da maior roubalheira da história política do Brasil. Nunca!”, escreveu.

Recebendo diversas mensagens de apoio e de críticas, Malafaia voltou a citar sobre as investigações que a Receita Federal fez na Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) e na Associação Vitória em Cristo (AVEC) que são presididas por ele. O pastor assembleiano garante que as investigações foram realizadas a mando do PT que tem usado órgãos federais para pressionar seus inimigos.

“Não encontraram nada porque não sou ladrão como eles. Os heróis do PT são os maiores corruptos do Brasil. Grande parte da cúpula do PT está na cadeia pela maior roubalheira da história política do Brasil Dilma não condena esses bandidos”.

Essa não é a primeira vez que o pastor Silas Malafaia fala contra o PT e o governo de Dilma Rousseff. No programa Vitória em Cristo que ele exibiu os documentos sobre as investigações da Receita Federal ele fez declarações parecidas e ainda pediu que o órgão investigasse o filho do ex-presidente Lula.

“Eu não tenho ódio do PT, tenho convicção de que não serei enganado nunca mais. Eles são contra meus princípios. É só ver o programa do partido”, disse Malafaia nesta terça-feira (19) também pelo Twitter.

Assista:

Se você gostou deste post, dizer obrigado por compartilhá-lo:
Compartilhar esta:

Mercado financeiro vê em Marina chance maior de derrubar Dilma

Mercado financeiro vê em Marina chance maior de derrubar Dilma

Mercado financeiro vê em Marina chance maior de derrubar Dilma

O PSB ainda não definiu quem irá substituir o candidato à Presidência Eduardo Campos, morto na última quarta-feira (13) em um acidente de avião na cidade de Santos (SP). Enquanto a decisão não é anunciada, o mercado começa estudar uma suposta disputa entre a candidata Dilma Rousseff e Marina Silva.

O anúncio do acidente fez com que a BM&FBovespa se agitasse e despencasse 3% por conta dos rumores de que Marina Silva também estava no avião. Os investidores do mercado financeiro ficaram apreensivos de não ter um terceiro candidato de peso na disputa presencial e a Bolsa sentiu o impacto.

Quando confirmaram que Marina não embarcou no voo, a Bolsa voltou a operar em azul por alguns minutos, mas logo voltou a recuar e fechou o dia com queda de 1,5%.

“A entrada da Marina muda não só as perspectivas para o primeiro turno, mas também para o segundo. Ironicamente, ao se tornar candidata numa circunstância de comoção nacional, Marina pode se fortalecer mais do que se tivesse sido escolhida lá atrás”, disse à Veja o economista Gesner Oliveira, sócio da GO Associados.

A Veja conversou com João Augusto de Castro Neves, da consultoria Eurasia, sobre a presença de Marina Silva na disputa presidencial. Para ele a candidata da chapa do PSB pode chegar a ir para o segundo turno ao lado de Dilma Rousseff passando à frente do candidato tucano Aécio Neves.

“Num hipotético segundo turno entre Dilma e Marina, os votos de Aécio são herdados por Marina, que também consegue pegar mais votos dos indecisos. Já o Aécio não herdaria tantos votos do PSB”, disse Castro.

A Eurasia revisou sua análise eleitoral para o Brasil, mas não divulgou a nova estimativa. Para Castro Neves, Aécio Neves é o candidato preferido dos investidores, se Marina entrar como candidata ela será o segundo lugar do mercado que vê a atual presidente como uma escolha a ser evitada.

Oliveira, da GO Associados, concorda que os investidores não ficam apreensivos diante de uma possível disputa entre Dilma Rousseff e Marina Silva. “Já faz algum tempo que a avaliação do mercado é positiva em relação a ela. A Marina mostra uma perspectiva de renovação e o mercado já deu sinais de que quer mudança”, disse.

“Tendo em vista o aconselhamento econômico de Marina e os desafios que se mostram adiante, algumas medidas serão inevitáveis tanto para ela quanto para Dilma e Aécio, como conter a deterioração fiscal, reajustar tarifas e tentar reconquistar a confiança do setor privado”, afirmou o economista ao falar sobre a chamada “herança maldita” do governo de Dilma para o mercado financeiro.

Se você gostou deste post, dizer obrigado por compartilhá-lo:
Compartilhar esta:

Curta no FaceBook